Sexta-feira, 21 de Agosto de 2009

POESIA - RUBBER, A HARLEY VERMELHA

 

RUBBER, A HARLEY VERMELHA
 
Quantas vezes na tristeza quotidiana colocada
Rodo a cabeça numa vã busca nem sei bem de quê
 
Espanta-me saber que não resisto a essa fúria
Mas não abdico de me enfurecer
 
Retratos sempre os mesmos
Vão-se perfilando em redor de mim
E chego a sentir que tantas dores são afinal o prémio
 
Volto a reparar que os desejos são sempre os mesmos
Volto sempre a verificar que as caras são sempre iguais
 
Mesmo que me mostrem um mundo diferente desconfio
Porque a razão hoje é inventada
E só o apetite conta
 
A fúria com que rodo o punho direito
Obedece a uma suave raiva que o recalca até mim
 
Olho de esguelha o ponteiro a evoluir
Tomara que nunca parasse de o fazer
 
E outra vez se assomam sempre os mesmos fantasmas
Será que é mesmo assim que me sinto livre?
 
Será que tudo é tão triste que nada me faça rir?
Apetece-me acelerar e pisar o travão a fundo
Provocar um derradeiro burn out mortal
 
Talvez soubesse então que a imortalidade não é mais do que uma prisão
Talvez nada restasse de mim senão aquilo que é puro
 
Para trás vai ficando no passado aquilo que há pouco era o futuro
E descubro que o tempo não conta
Descubro que o tempo somos nós
E nós nada somos
 
Acredito que esse Deus bom dos livros
Apenas foi inventado pelos demónios
E acelera-se-me a fúria!
 
Apenas a energia e o cosmos contam
Como numa simples fórmula cientifica
 
Somos escravos do destino e apenas podemos manter-nos
 
Viver!??
 
Só os fantasmas vivem!
 

 

tags:

publicado por Cavalo Alado às 09:44
link do post | comentar | favorito


Abril 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30